CAMPANHA DESPEJO ZERO

                                                                

 

 

Nesta quinta-feira 23/07, diversas organizações sociais e movimentos populares realizam ato político-cultural pelo direito à moradia digna, à cidade e à vida.  Diante de toda essa crise sanitária, econômica e social que tornou a moradia ainda mais essencial para a vida, o governo e o judiciário seguem promovendo despejos no campo e nas cidades de todo o Brasil, além da crescente violência contra os territórios dos povos indígenas e quilombolas, impedindo que milhares de famílias lutem por sua sobrevivência durante uma pandemia que não tem hora pra acabar.

Em Petrópolis, temos mais de 300 famílias com processos jurídicos para a demolição de suas moradias e algumas já estão com a ordem para serem cumpridas a qualquer momento. O sofrimento, a incerteza e a falta de alternativas habitacionais tortura idosos e crianças que não podem melhorar suas condições de moradia, vivem à margem das políticas públicas e podem ser jogados nas ruas à qualquer momento.  Na última tentativa de demolição impedida pelo MPF em parceria com o CDDH, a alternativa sugerida para a família seria a sua divisão, colocando crianças em abrigos específicos, idosos para outros e os adultos, no abrigo para pessoas em situação de rua,

Além deste cenário, ainda temos as cobranças e ameaças dos proprietários de imóveis ocupados por famílias vítimas de tragédias socioambientais que precisam de recursos financeiros para a complementação do valor do aluguel social e estão em dificuldades deste complemento em virtude da pandemia.

Colocar famílias ao relento, em qualquer que seja o cenário, já é desumano. No momento de pandemia, não existe palavra para tal violação de direito.  DESPEJO ZERO