Direitos Humanos

A luta pelos Direitos Humanos alcança tempos ancestrais na história das sociedades. Sempre que algum grupo ou classe social tomava o poder e se arvorava em torno da vida alheia, subtraindo liberdades, surgiam outros que se opunham a essa condição de opressão. Principalmente após a revolução agrícola, ocorrida por volta de 10.000 a.C., quando a propriedade da terra ficou nas mãos de elites que mais tarde se constituíram em cortes monárquicas onde o rei tinha atributos divinos, surgiram inúmeros grupos que se rebelavam contra esta ordem e partiam em defesa das maiorias oprimidas.

Tais grupos eram principalmente de camponeses, obrigados a pagar pesados tributos ao Estado e as prestar trabalhos forçados na construção de cidades, templos, palácios e obras públicas. Dentre os grupos que se rebelavam contra o Estado Tributário, estão aqueles que se uniram e conquistaram a terra de Canaã, fundando uma confederação tribal chamada Israel, por volta do ano 1.200 a.C. Esses rebeldes enfrentaram o império egípcio, maior potência da época, e ousaram criar uma sociedade de respeito aos Direitos Humanos. Sua saga está narrada na Bíblia, em vários pontos, mas especialmente no livro do Êxodo. Outros povos também travaram suas lutas contra o poder opressor e em prol das liberdades e da dignidade humana. Na África, encontram-se tradições orais dando conta do valor da vida humana, especialmente dos mais fracos, contra a opressão dos grandes. Na primitiva cultura Akan, de Gana, há um provérbio que diz: "tamanho ou força não devem servir para oprimir" (citado por João Batista Herkenhoff no livro "Direitos Humanos Conquistas e Desafios", p. 282).

Também na China encontramos grupos de camponeses empenhados na luta por seus direitos, usurpados pelo monarca. O Taoísmo, por exemplo, surgiu como uma religião da não-ação, da resistência contra o trabalho forçado imposto pela corte aos súditos. Muitos elementos desta religião foram incorporados mais tarde ao Confucionismo, que, mesmo sendo ligada ao poder, mandava que o imperador amasse tudo aqui- lo que o povo ama e detestar o que ele detesta. Primeiro vem o povo, depois o Estado.

Entre os povos da América pré-colombiana também encontramos tradições em defesa da dignidade humana. Os Astecas, que viveram onde hoje é o México, ensinavam aos jovens o respeito à dignidade humana, bem como lhes mostravam os males que causam a injustiça e a maldade. Como se pode ver, a luta pela dignidade humana é antiga. E é também atual na medida em que não conseguimos ainda organizar sociedades onde as necessidades básicas da vida de toda a população estejam garantidas. As desigualdades sociais, as várias formas de discriminação e exclusão, os desrespeitos às diferenças e as relações depredadoras com o meio ambiente são barreiras a serem superadas para cons- truirmos formações sociais saudáveis, onde todos possamos conviver na diversidade, com sustentabilidade e garantia de vida. Selecionamos alguns textos que norteiam a luta pelos Direitos Humanos na história. Para obter a informação, clique nos links ao lado.

Ligações desta página