ENERGIA PARA A VIDA: Seminário estimulou debate sobre produção de energia na região serrana do Rio

O evento teve como objetivo discutir e aprofundar os conhecimentos em relação a produção de energia no mundo, em particular no Brasil e uma característica interessante do seminário foi o fato de ter sido realizado no e para o interior do estado do Rio Janeiro. A atividade aconteceu em Petrópolis e, além de contar com a participação de pessoas do município, também registrou a presença de pessoas de outras localidades, majoritariamente de Campos, Friburgo e Teresópolis.

       Estiveram presentes na atividade, realizada no Instituto Teológico Franciscano, membros do próprio instituto, do CDDH (Centro de defesa dos Direitos Humanos de Petrópolis), da CPT (Comissão pastoral da Terra), da AVIT (Associação das Vítimas de Teresópolis), do Monades (Movimento Nacional de Afetados por Desastres Socioambientais) e independentes.

Na ocasião foram apresentadas e analisadas informações sobre as fontes de geração de energia no Brasil e no mundo, como por exemplo a lenha, o  carvão, o petróleo, a biomassa, a força das águas, dos ventos, das marés e da radiação solar… Uma questão amplamente debatida foi, ainda, o fato das mudanças climáticas 'colocarem em cheque' a ideia de que a fonte hídrica é infinitamente renovável. As mudanças climáticas impõe uma alteração no ciclo das águas e, com isso, grandes períodos de secas em regiões antes abastecidas pelas chuvas, atingindo diretamente as usinas hidroelétricas. A “solução” que o Brasil vem utilizando para essa alteração são fontes “térmicas – que paradoxalmente estão no centro do aumento das emissões de GEE (gases de efeitos estufas) e, consequentemente, contribuem para afetar o regime hidrológico através das mudanças climáticas.
 
Um fato que nunca podemos perder de vista é que a geração de energia não pode ser centralizada em poucas fontes, temos que desenvolver formas diversificadas de geração. Mas a indústria do petróleo ainda possui a hegemonia energética. Uma solução alternativa interessante de geração de energia elétrica são a mini e a microgeração DE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA, em que cada casa abastece o sistema, ocasionando a possibilidade de construirmos uma nova forma, na qual a participação de todos é importante para geração de energia elétrica. Portanto, os movimentos populares devem estar organizados para protagonizar um processo político que coloque no centro da discussão a relação entre o ser humano e o ambiente, para romper com a lógica do lucro.
 
Cabe lembrarmos as palavras do Leonardo Boff sobre o vínculo relação entre a Terra e o ser humano, onde “o cuidado representa uma relação amorosa, respeitosa e não agressiva para com a realidade e por isso não destrutiva. Ele pressupõe que os seres humanos são parte da natureza e membros da comunidade biótica e cósmica com a responsabilidade de protegê-la, regenerá-la e cuidá-la. Mais que uma técnica, o cuidado é uma arte, um paradigma novo de relacionamento para com a natureza, para com a Terra e para com os humanos.”

*A ecologia social pretende estudar as conexões que as sociedades estabelecem entre seus membros e as instituições e todos eles para com a natureza envolvente.