Equipe do CDDH apoia o ato do Dia Internacional das Mulheres, intitulado “Todas as Mulheres, Nenhum Direito a Menos!”

Equipe do CDDH apoia o ato do Dia Internacional das Mulheres, intitulado “Todas as Mulheres, Nenhum Direito a Menos!”

Membros do Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Petrópolis (CDDH) acompanham a manifestação pelo dia internacional da mulher e contra todo tipo de retrocesso, e toda forma de opressão.

 

"Dá ânimo pra luta verificar o número de participantes da Marcha na Cidade em um dia de semana, chuvoso e à noite, dentro de um cenário conservador de retrocesso de direito que estamos vivendo nacionalmente e internacionalmente. Essa participação demonstra percepção da necessidade de estarem unidas e fortalecidas para alterar este cenário e avançar na busca e concretização de direitos." afirmou Carla de Carvalho, membro da Coordenação Executiva do CDDH, que esteve presente no ato representando o grupo de instituições organizadoras do Grito dos Excluídos.

O ato de reivindicações das mulheres lotou e tomou as ruas do Centro Histórico de Petrópolis, de acordo com Cristiane Monteiro, integrante do coletivo O Clã: “O coletivo ficou extremamente feliz pela adesão das mulheres, tendo em vista que esse foi o primeiro ato do coletivo, e foi muito bom vermos mais do que a estimativa esperada na rua conosco.”

Vivian Amaral, que também é integrante do coletivo, pauta; “O coletivo considera o feminismo uma luta política que deve ser encampado por todos socialmente. Independente de gênero devemos ampliar, cada vez mais, esse debate. Assim a participação de todo homem é bem vinda quando temos nosso espaço de protagonismo respeitado”.

Diversas instituições, além do coletivo O Clã, participaram do ato. São elas; a União da Juventude Comunista (UJC), a Comissão Municipal da Verdade de Petrópolis (CMV), o Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Petrópolis (CDDH), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o Movimento Grito dos Excluídos, o Sindicato dos Bancários de Petrópolis (SindBancários), o Sindicato da Indústria da Alimentação de Três Rios, a Nação HipHop, o Ponto de Cultura Língua de Trapo, a União Nacional dos Estudantes (UNE), a Associação Petropolitana dos Estudantes (APE), a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) e a União da Juventude Socialista (UJS).

 

O Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Petrópolis (CDDH) quer agradecer e parabenizar pela oportunidade de participar desse ato tão importante marcando o dia 8 de março em comemoração ao dia internacional da mulher.

O CDDH sempre lutará pelas parcelas da população mais vulneráveis, e a mulher ainda é uma categoria em vulnerabilidade, principalmente a mulher negra da periferia.

“Nós conhecemos as mulheres da periferia. Conhecemos sua realidade, e por isso é essencial estarmos aqui. Só com luta as mulheres conquistarão a concretização de seus direitos.” – pontua Flávia Valadares, do CDDH.

“Não podemos retroceder em nossos direitos. Nesse atual cenário de retrocesso de   direitos,as mulheres serão ainda mais afetadas. O PL 4330 que trata da terceirização, segundo estatísticas, afeta principalmente a mulher que é maioria entre os trabalhadores terceirizados. A PEC 287/2016 que trata da reforma da previdência quer fazer as mulheres se aposentarem a partir de 65 anos.    Infelizmente hoje presenciamos um aumento alarmante da violência contra a mulher.

No carnaval foram registradas uma ocorrência de violência contra a mulher a cada 3 minutos. E é por isso que sim, nós estamos aqui pra lutar e resistir até conquistarmos a concretização de todos os nossos direitos”, completa Flávia.

O CDDH está de portas abertas para as mulheres que precisam de qualquer tipo de auxílio quando perceberem seus direitos violados.