FRIBURGO, TERESÓPOLIS E PETRÓPOLIS REALIZAM O SEGUNDO SEMINÁRIO DA REGIÃO SERRANA

 
No último sábado, dia 21, aconteceu o seminário "Direito à Moradia: Mobilização e Organização Popular na Serra Fluminense". Este foi o segundo seminário realizado na região e que tem como objetivo, fomentar o movimento serrano fluminense dos afetados por tragédias socioambientais, além de fortalecer as lideranças locais, dando visibilidade às questões que envolvem a tragédia socioambiental ocorrida em janeiro de 2011, como: a luta por moradia digna; a realização de obras que garantam a segurança das moradias em áreas ditas de risco, sem que as moradoras e moradores necessitem serem removidos de sua comunidade; discussão sobre a Lei de Proteção e Defesa Civil; estratégias de mobilização popular; etc.
 
O encontro ocorreu em Teresópolis, no salão da igreja católica da paróquia da Granja Florestal, bairro fortemente afetado pela grande tragédia, e contou com a presença de cerca de 70 pessoas, lideranças e moradores de diversas comunidades afetadas por tragédias socioambientais de Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis, representantes de instituições de luta pelos direitos sociais, pesquisadores de universidades e representantes religiosos.
 
A mística de início do encontro deu o tom colorido e diversificado que permeou todo o dia e integrou todo o grupo em torno de bons sentimentos e valores humanos trazidos por cada um dos presentes.
 
Imagem inline 1
Mística de início.
 
Os participantes assistiram a uma explanação sobre a Lei Nacional de Proteção e Defesa Civil e depois puderam discutir, em grupo, alguns tópicos referentes à lei. Dentre os questionamento sobre esta lei, que afeta diretamente a vida das pessoas, se destaca o fato da não participação popular em sua elaboração, "como deveria se pensar uma lei de proteção humana à partir dos territórios, bairros, municípios, e regiões?"
 
Imagem inline 2
Membro da plenária manifestando opinião frente as exposições sobre a Lei de Proteção e Defesa Civil.
 
Em seguida, representantes da Pastoral das Favelas deram importante contribuição expondo o histórico de luta no Rio de Janeiro e apontando itens e caminhos estratégicos para a organização e luta das comunidades. Destacando a fundamental importância da organização dos moradores nas associações de bairros, o conhecimento das leis de garantia dos direitos sociais e de cidadania, assim como, o conhecimento dos caminhos jurídicos a serem tomados.
 
Imagem inline 3
A advogada da Pastoral da Favela realizando sua palestra para os participantes do seminário.
 
Membros das associações de moradores dos bairros de Córrego d´Antas e Três Irmãos, de Nova Friburgo, também compartilharam suas experiências construídas através da luta organizada pela reconstrução de suas comunidades. Expuseram importantes conquistas e os desafios com que ainda convivem, fortalecendo a ideia da necessidade de mobilização e organização dos moradores, sem a qual não teriam havido as conquistas frente ao poder público. A organização em outros níveis, para além dos bairros, também foi colocada como uma necessidade para o fortalecimento das ações locais e intervenção nas políticas públicas para a construção dos direitos dos afetados por desastres, como a articulação e organização popular nos municípios, na região serrana através da Rede Serrana, e nacional através do Movimento Nacional dos Afetados Por Desastres Socioambientais - MONADES.
 
Imagem inline 4
Presidente da Associação de Moradores dos Três Irmãos - NF, falando aos participantes do seminário.
 
Em seguida, os participantes, divididos em grupos, debateram o futuro do movimento na região e elaboraram propostas para a área da comunicação e divulgação, articulação e mobilização popular, estratégias para intervenção jurídica visando a garantia dos direitos sociais, entre outras.
 
Discutiu-se também, a participação dos municípios no " Seminário Internacional Desnaturalização dos Desastres e Mobilização Comunitária: novo regime de produção de saber", que será realizado nos dias 15 e 16 de outubro, no Museu da Vida, na Fiocruz. Neste seminário, além dos debates promovidos à partir de mesas compostas por estudiosos e representantes de movimentos sociais, será apresentada uma exposição sobre a tragédia da Região Serrana e também acontecerá um ato em memória às vítimas mortas na tragédia e pela dignidade dos afetados que permanecem na luta por seus direitos. Neste seminário também ocorrerá a reunião nacional do MONADES quando, aos afetados da Região Serrana, se juntarão afetados de outras regiões do país para discutirem os rumos do movimento.
 
Imagem inline 5
Cartazes com as propostas da plenária.
 
O segundo seminário da Região Serrana foi um encontro de rico conteúdo e um momento de se deixar aflorarem, entre os participantes, sublimes emoções e sentimentos de solidariedade, fraternidade, esperança e amor, sobretudo expresso pela hospitalidade da comunidade da Granja Florestal que a todos acolheu com trabalho e carinho.
 
Imagem inline 6
Membros da paróquia da Granja Florestal preparando a alimentação do seminário.
 
Instituições representadas no seminário:
Associação de Moradores do Bairro do Caleme - Teresópolis
Associação de Moradores do Bairro de Córrego d´Antas - Nova Friburgo
Associação de Moradores do Loteamento Três Irmãos - Nova Friburgo
Associação de Moradores do Bairro do São Geraldo - Nova Friburgo
Associação de Moradores do Bairro do Jardinlândia/Tauru - Nova Friburgo
Associação de Moradores do Bairro do Terra Nova - Nova Friburgo
Presença Samaritana
AVIT - Associação das Vítimas da Tragédia de Teresópolis
INCID/IBASE - Indicadores de Cidadania do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas
CDDH - Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Petrópolis
Pastoral das Favelas
CRB - Conferência dos Religiosos do Brasil no Estado do Rio de Janeiro
Movimento dos Moradores de Rua
Associação dos Catadores
UFF - Universidade Federal Fluminense
Fiocruz - Fundação Oswaldo Cruz
Além de moradores de diversas comunidades afetadas como: Feos, Granja Florestal e Vargem Grande.
O apoio financeiro foi da Fundação Sócio Ambiental CASA - Caixa Econômica Federal.
 
Sandro Schottz
pela AMBCD